segunda, 08 de abril de 2019 - 10:00h
Autismo e a Inclusão
As Diferentes Formas de Lidar, Conviver com a Pessoa com Transtorno de Espectro Autista
Por: Damião Silva, Pedagogo e Coordenador da Câmara de Educação Profissional e Educação Superior no Conselho Estadual de Educação.

O Conselho Estadual de Educação no dia 10 de abril do corrente ano buscou compreender junto com seu Colegiado o relevante debate sobre o tema Autismo. Trouxe para uma Sessão Plenária a palestrante Nelcirema da Silva Pureza Ferreira que em uma linguagem pedagógica procurou explicitar aos presentes a necessidade de se entender o tema abordado, assim como compreender a importância da inclusão.

O substantivo autismo define-se como “uma condição ou estado de alguém que aparenta estar invariavelmente absorvido em si próprio.” Classifica-se em: Transtornos Globais do Desenvolvimento – DSM IV, Transtornos Globais do Desenvolvimento – F84 (CID10) e Transtorno do Espectro Auitista – TEA. Então, TEA é: “Um transtorno do neurodesenvolvimento que caracteriza-se por prejuízo persistente na comunicação social recíproca e na interação social e por padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades” segundo a American Psychiatric Association (APA, 2014). Um espectro, apresenta diversas formas, com graus ou níveis do TEA que podem ser: Nível 3: “exigindo apoio muito substancial”; Nível 2: "exigindo apoio substancial” e Nível 1: "exigindo apoio". Na prática, seriam as atuais classificações encontradas na linguagem comum.

As características são identificadas geralmente por volta dos 3 anos de idade, persistindo por toda vida adulta. Atinge principalmente o sexo masculino, na proporção de quatro meninos para cada menina. Apresenta no domínio da linguagem e comunicação algumas características importantes, como: Limitações na comunicação verbal e não verbal, Linguagem com desvios semânticos e pragmáticos, Não desenvolvimento da linguagem ( em alguns casos), Ecolalia (repetição de palavras e frases), Resistência aos métodos normais de ensino, Apego exagerado a certos objetos, Jogos repetitivos, alinhar ou girar objetos, são algumas das características comuns encontradas. Quanto ao domínio do pensamento e do comportamento, apresenta: Rigidez do pensamento e do comportamento; Pouca imaginação social – ausência do jogo simbólico; Comportamentos ritualistas e obsessivos (dependência de rotinas) e uma Deficiência intelectual.

Um dado importante abordado foi quanto a Sinestesia, é uma condição rara,  que alguns indivíduos do espectro dizem ter experiência. Isto é, quando a confusão nos canais sensoriais ocorrem. Uma experiência sensorial entra através de um sistema. Por exemplo, uma pessoa ouve um sistema (som auditivo), mas vê a cores (sistema visual).

A realidade das pessoas com TEA têm em suas famílias a sensação de perda, dor, culpa e dúvidas e muitas vezes para piorar ainda precisam enfrentar a falta de escolas inclusivas que atendam suas necessidades, indisponibilidade dos serviços médicos qualificados e a pouca cobertura e abrangência dos serviços de habilitação e reabilitação. Porém a legislação prevê: Resolução nº 4 CNE/CEB/2009 - Implementação do Decreto nº 6.571/2008:

Art. 1º - Os sistemas de ensino devem matricular os alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação nas classes comuns do ensino regular e no Atendimento Educacional Especializado (AEE).

As intervenções pedagógicas na escola devem acontecer com a análise do diagnóstico e dos relatórios psiquiátrico, psicológico, neurológico, pedagógico e social, conhecer as peculiaridades da criança, priorização de áreas ou unidades de conteúdos que garantam funcionalidade e que sejam essenciais e instrumentais para as aprendizagens posteriores e definir estratégias que poderão ser utilizadas na interação didático-pedagógica.

Acredita-se na imediata intervenção do Estado em muitas ações para se diminuir essas desigualdades sociais, embora saibamos que a política que se instala nacionalmente não favorece a prática de muitos profissionais e das famílias inquietas nesses ajustamentos. Espera-se investimento e planos que venham favorecer uma nova abordagem.

 

 

NEWSLETTER

Receba nossas notícias em seu e-mail ou celular.

CEE - Conselho Estadual de Educação
Av. Feliciano Coelho 1969 - Trem - Cep 68901-285 - Macapá - AP - (96) 3212-9150 - cee@cee.ap.gov.br
Site desenvolvido e hospedado pelo PRODAP - Centro de Gestão da Tecnologia da Informação
2017 - 2019 Licença Creative Commons 3.0 International
Amapá